A Arte de Contar Histórias

 

O gosto pela literatura, pela cultura popular e o querer saber  me levaram à  buscar  nosso folclore.

 

As águas paralelas da  memória e da imaginação popular correm ao lado da literatura e do pensamento letrado e nos levam a viajar por um mundo encantado.

 

Graças à tradição oral é que podemos colocar na ordem do dia todas as histórias que povoam o inconsciente coletivo e o imaginário popular.

 

A arte de contar histórias consiste numa tradição muito antiga, reporta-se às origens da sociedade humana,  é considerada uma das primeiras manifestações culturais do homem e é mantida universalmente.

 

Contar histórias é coisa séria, significa dividir sonhos, imaginação e fantasias. Talvez aí esteja a explicação para a aura de encantamento que, ao longo dos anos, sempre cercou a figura do contador de histórias.

 

Arte milenar que nos leva a conhecer profundamente a alma e a cultura de um povo.

A humanidade na ânsia de querer explicar suas emoções e os fenômenos da natureza, quando ainda não dispunha do recurso da ciência, fazia, para isso, uso de lendas e mitos. Essas lendas e mitos  precisam ser passados de geração em geração, pois eles contam a história do nosso desenvolvimento como seres humanos. Ao contar histórias  perpetuamos a essência de cada povo  que lhes deram origem.

 

O Departamento de Contação de Histórias visa criar oficinas para:

 

· refletir e praticar os fundamentos da contação de histórias, por meio das abordagens literárias e poéticas.

 

· fazer uma imersão nas possibilidades pedagógicas desta arte milenar, envolvendo o participante de maneira intelectual, prática e emocional.

 

O trabalho será desenvolvido através de  contos tradicionais, mitologia brasileira, mitologia universal, memória, imaginário coletivo e os arquétipos. Os contos de fadas são repletos de arquétipos, um verdadeiro tesouro de sabedoria sobre os combates particulares e os papéis públicos.

 

O contador de histórias trabalha com a palavra e a palavra tem a sua própria magia. Por isso, eu que faço parte desse mundo do faz de conta, me dedico a esse serviço de garimpo de boas histórias  e trato de contá-las da melhor forma que puder para que  as pessoas tenham uma experiência que lhes seja útil de alguma maneira. E que ao final de uma história eu possa dizer: gostoso mesmo é voar, voar no tapete mágico para a terra do faz de conta.

 

          

Íris Serôdio é Contadora de histórias e pesquisadora no assunto.          

www.iserodio.cpecs.org

 

 

 

 

 

 

 

Contação de Histórias

Coordenação Iris Seródio

 

 

 

 

Quem Somos

 

 

Gazeta Virtual

 

Núcleo de Concepções Filosóficas e Culturais

 

Núcleo de Ciências Acadêmicas e Para-Acadêmicas

 

Núcleo de Expressão Artística

 

A HISTÓRIA DA MISÉRIA, CONTADA POR IRIS SERODIO